Make your own free website on Tripod.com
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Altas febres


Manoel Henriques 



Quando A Febre Amorosa, de Eustáquio Gomes, chegou para os leitores, em 1984, poucos compraram. Um deles morava em Brasília. Não costumava comprar livros, mas era fascinado pelo cinema, que, para ele, era assistir a filmes de Fellini. 

Na verdade, não eram filmes de  Fellini. Era um filme de Fellini, que ele tinha visto não sabia onde, nem quando — E La Nave Va, onde cheiros de bosta paquidérmica se misturam com compassos de ópera. Som e cheiro, era o que lembrava. E lhe bastava. 

Comprou o livro meio por acaso, meio por obrigação. Estudava História na Universidade de Brasília, e o ano de 1889 o interessava por conta de um trabalho que tinha que entregar em uma semana. Leu que se tratava de um romance cheio de sacanagem, feito filme de Fellini. Onde sacanagem fala de História, e História de sacanagem. Leu na orelha do livro, escutou, não teve dúvida, comprou. 

Seu professor de História na UnB mandou ele à merda e, ato contínuo, procurar outro departamento. Ali ele não estudava mais. Ganhou um MM, e foi tentar Comunicação, Curso de Cinema, onde o campus, se não mais anarquista, era pelo menos mais arejado na conjugação entre sons e cheiros. 

Ganhou uma bolsa para estudar na Itália. Guardou nela o livro de Eustáquio Gomes. Gostou do que viu por lá, mas, principalmente, do presente de um amigo: a nova edição de A Febre Amorosa, que a Geração Editorial devolve agora aos leitores que têm a nítida impressão que a História só vale se for farsa, folhetim e poucas pausas para a respiração contida.

E foi assim que vingou essa resenha.

Agora a febre volta. Talvez mais alta.

Reabastecem de mercúrio os termômetros, de alfafa os cavalos, de gases os rinocerontes e os alfarrábios das estórias mal-contadas. 

A Febre Amorosa acontece na cidade de Campinas (SP) em 1889, quando os barões do café e os republicanos discutiam quem iria mandar no pedação de terra chamada Brasil. Foi também o ano em que Campinas conheceu uma epidemia de febre amarela (ou azul, verde e branca). Uns bichinhos safados — bactérias, vírus, sabia-se lá o que — dizimaram boa parte da população local. A historiografia oficial chama de febre amarela, já que é uma cor que sempre chama atenção. 

De toda forma, a verdade é que matou gentes & cachorros & bovinos. Está tudo lá nos jornais daqueles tempos, principalmente no Diário de Campinas, na coleção arquivada do Centro de Ciências, Letras e Artes, e é uma das fontes básicas do autor para a crônica da febre. Enquanto republicanos e monarquistas se engalfinhavam, um romance rolava. A jovem baronesa Evangélica, casada com o velho barão assinalado pela decadência, se apaixona pelo Dr. Alvim, um médico republicano que vem da Corte do Rio cheio de sacanagem pra dar e receber. 

A Febre Amorosa deixa em seu rastro vários suicídios, incêndios, cenas dignas de relato do Marquês de Sade. E fala também de figuras que meu professor de História não queria misturadas com aquele povo, cenas dignas só de uma cabeça alucinada.

Correio Braziliense, dezembro de 2001